Recomendações Cinéfilas Outubro 2021

Daniel Carrapato
Escrito por Daniel Carrapato a
Recomendações Cinéfilas Outubro 2021

Ponto de Viragem: o 11 de Setembro e a Guerra contra o Terrorismo (2021)

No ano do vigésimo aniversário do 11 de setembro, a Netflix lança o documentário Ponto de Viragem: O 11 de setembro e a Guerra contra o Terrorismo. Em cinco episódios é feita uma análise compreensiva daquilo que sabíamos então e o que sabemos hoje sobre a ação terrorista e aquela que foi a resposta do país que prometeu a si e ao mundo que levaria a guerra contra esta ameaça até às últimas consequências.

Além de bem explicado e claro cronologicamente, o documentário dá voz não apenas a algumas figuras relevantes que ajudaram a moldar a resposta ao ataque, militar e estrategicamente, mas também a alguns dos que o sofreram. Assim, vemos uma narrativa mais clara sobre a guerra no Afeganistão e no Iraque, que acaba por pouco a pouco desmontar a versão heroica dos acontecimentos.

007: Goldfinger – Ian Fleming (1964)

Seis anos depois e após três adiamentos, o 25° filme do 007 tem estreia marcada para a próxima semana. Nas vésperas, Goldfinger é um clássico que não pode faltar a qualquer fã. Este acompanha Bond, então Sean Connery, na sua missão contra um magnata, Goldfinger, que tem planos que podem arruinar a economia mundial. Foi o primeiro filme Bond a ganhar um Óscar, e casa para um dos épicos momentos 007: “A martini. Shaken, not stirred”.

O Acossado / À Bout de Souffle – Jean-Luc Godard (1959)

À bout de souffle, a estreia cinematográfica de Godard, por muitos considerada a sua obra-prima, insuperável logo à partida, estabelece um novo paradigma no cinema francês e mundial, nega os cânones e ditames da velha academia, privilegiando a inovação e a irreverência. Com argumento de François Truffaut e de Claude Chabrol, a história tem como figuras principais Michel Poiccard (Jean-Paul Belmondo) – um jovem que procura viver como um gangster ao estilo de Humphrey Boggart, vivendo à margem da sociedade – e Patricia Franchini – uma jovem americana aspirante a jornalista.

Michel, procurado pela polícia, tenta convencer Patricia a fugir com ele…será que consegue? Vejam o ‘filme-bandeira’ da Nouvelle Vague e explorem as ruas de Paris com os protagonistas!

Dersu Uzala – Akira Kurosawa (1975)

O único filme de Akira Kurosawa filmado fora do Japão, tem como cenário a taiga siberiana, ambiente hostil à vida humana, mas de uma beleza avassaladora. Dentro do estilo humanista a que Kurosawa nos habituou, a ação centra-se à volta da amizade improvável entre o capitão Vladimir Arseniev, topógrafo encarregado de mapear zonas da Sibéria e Dersu Uzala, um nativo nanai que habita aquelas florestas, vivendo em simbiose com a natureza agreste daquele local. Um filme cenicamente deslumbrante, filmado in loco, que nos deixa verdadeiramente emocionados com a força da amizade entre os homens, que tudo conseguem atravessar, para além de eventuais diferenças culturais.

Daniel Carrapato

Daniel Carrapato

Vogal da Cultura.